A História de Ipanema – Parte 4

 

Foto02
O calçadão de Ipanema com a linda praia de fundo.

E Ipanema cresceu, cresceu, progrediu, mesmo que um pouco isolada do resto da cidade. E a partir da década de 60, o bairro começou a exportar modismos. Foi por aqui que a bossa-nova se estabeleceu, que Leila Diniz brilhou, que a Banda de Ipanema passou. Nos anos 70, surgiram “as dunas do barato”, o Pier, locais de encontro da geração desbunde. Na década de 80, o bairro viu surgir nas suas areias, mais precisamente no Arpoador, o Circo Voador. Ipanema teve inúmeros verões marcantes como o “da lata” e o “do apito”. E fez a moda entrar na moda com lojas que ficaram para a história como a Bibba, a Blu Blu e a Company. Com o passar dos anos, bairro virou residência da classe média alta e alta, e ao lado do vizinho Leblon formam a dupla com as residências mais caras da cidade e um dos bairros mais sofisticados e elegantes do Rio de Janeiro.

Foto03
Imagem aérea de Ipanema

Os saudosistas não se cansam de comparar a Ipanema dos anos 60 e 70 com a de hoje. Não se conformam com a quantidade de enormes prédios que surgiram no bairro, no movimento brutal do trânsito, do barulho e da confusão nas calçadas trazida por turistas de vários pontos do país e do exterior. Eles também não aceitam a falta de privacidade nas praias e nas praças. Dizem, com razão, que, aos poucos, Ipanema está se transformando em um bairro inchado, confuso, violento. Não conseguem mais sentir, no dia a dia, a identidade própria que conquistou a partir dos anos 50 até fim dos 70. É o preço do progresso…do futuro que, invariavelmente, sempre vem cobrar a conta.

Foto04
A estação do Metrô General Osório
Foto01
A praça Nossa Senhora da Paz

Com todos esses dissabores que o crescimento agressivo e desordenado trouxe ao bairro, Ipanema consegue, mesmo assim, sustentar o seu charme e sensualidade. Pode não ser mais aquele catalizador de moda e comportamento que ficou famoso nas décadas passadas, mas mantem viva aquela áurea de ser o espaço mais bonito e moderno da cidade do Rio de Janeiro.

 

 

 

 

 

seta
Parte 3